Rua Sorocaba 800, CEP 22271-100, Botafogo, Rio de Janeiro, Brasil.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Nise da Silveira sobre produção plástica - Imagens

Arquivo - desenhos
 técnica mista
“Desenho e pintura não só constituem excelente meio de pesquisa, mas igualmente são instrumentos da maior importância na terapêutica junguiana das neuroses”.
“Certamente será muito válido interpretar e compreender as produções da imaginação – sonhos, fantasias – nos distúrbios emocionais. Mas o caminho da interpretação emocional não é o único caminho. Há também, segundo Jung, o método que sugere ao indivíduo a tentativa de dar forma visível às imagens internas que surgem em meio dos tumultos das emoções. Exprimir as emoções pela pintura será excelente método de confrontá-las. Não importa que essas pinturas sejam de todo desprovidas de qualidade estéticas. O que importa é proporcionar à imaginação oportunidade de desenvolver livre jogo e que o individuo participe ativamente dos acontecimentos imaginados”.
“Não se trata de fazer arte, diz Jung, mas de produzir um efeito sobre si próprio. Aquele que até então permanecia passivo, agora começa a desempenhar uma parte ativa. Lançando sobre o papel as imagens que viu passivamente, realiza um ato deliberado. Há grande diferença entre falar sobre imagens de sonhos e fantasias durante uma sessão analítica, e lutar durante horas com pinceis e tintas para dar forma a imagens fugidias. Cedo o indivíduo verifica que o ato de pintar o libera de estados psíquicos de muito sofrimento. Passará a recorrer espontaneamente a este método e assim irá se tornando independente de seu médico. Dando formas às imagens internas, simultaneamente, ele se modela a si mesmo”. (Jung C. W. 16, p 48)
“Jung atribui à pintura função terapêutica. Por intermédio da pintura, ‘o caos aparentemente incompreensível e incontrolável da situação total é visualizado e objetivado (...). O tremendum é exorcizado pelas imagens pintadas, torna-se inofensivo e familiar e, em qualquer oportunidade que o doente recorde a vivência original e seus efeitos emocionais, a pintura interpõe-se entre ele e a experiência, e assim mantém o terror à distância’. (C. W. 3, p. 260)”.
(...) “Os processos de autocura serão favorecidos se o doente sentir-se livre no atelier, não se admitindo coações de qualquer espécie nem a presença importuna de curiosos”.
Nise da Silveira - Imagens do Inconsciente – pgs 134, 135 -1981, Alhambra, RJ.
guache
 pastel oleoso


pastel seco e oleoso

Um comentário:

Lucas Guesser disse...

Que lindo! Sem dúvidas a expressão artística é parte fundamental do bem-estar humano!
Abraços.