Rua Sorocaba 800, CEP 22271-100, Botafogo, Rio de Janeiro, Brasil.

domingo, 27 de dezembro de 2009

23 de dezembro, feliz aniversário!

Comemorando os 53 anos da Casa das Palmeiras,
homenageamos com uma poesia de
Gilberto Schmütz de Gouma *

Ode à Nise da Silveira

Nise
Dionisíaca
Doce e Feroz
Uma Guerreira. Uma Sacerdotisa.
Mulher, Brasileira, Nordestina.
Triplamente discriminada, triplamente combativa.
Criadora do Museu de Imagens do Inconsciente.
Criadora da Casa das Palmeiras.
Nise é assim: uma criadora.
Criadora de idéias, de obras, de ideais.
De “casos” também. E de quantos!...
Brigou pelos direitos dos ditos “doentes mentais” em se expressarem.
Brigou pelos direitos deste doente maior chamado Brasil.
Esteve presa com Graciliano Ramos e Olga Prestes.
Personagem dos livros Memórias do Cárcere e Olga.
Nise é a própria Princesa Caralâmpia da Terra dos Meninos Pelados,
Personagem feita para ela por Graciliano.
É personagem como não mais se faz com Nobreza, Coragem e Paixão.
Tem um texto em Brecht diz:

Há Homens que lutam um dia e são bons.
Há outros que lutam um ano e são melhores.
Há os que lutam muitos anos e são muito bons.
Mas há os que lutam toda uma vida
e estes são os imprescindíveis.

Nise é assim: imprescindível !
Nise ultrapassa os limites
De uma geografia divisória e de um tempo linear.
Sua obra-vida transcende.
Mãe de sonhos e argonautas
de lutas e guerreiros
de fogos e sedentos
de luzes e desbravadores.
Nise-Caralâmpia segue a iluminar caminhos.

* Professor - UFF/Produtor Cultural/ Amigo de Nise/Neto-Elfo.
Proferida em 1988, quando Dra. Nise recebeu Título de Professor
Honoris Causa pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro – UERJ.

____________________________________

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Feliz Natal! Feliz 2010!


Presépio - Modelagem, palha e papel pintado
( por questões técnicas demoramos a colocar as fotos)
A Casa das Palmeiras agradece a todos que neste ano de 2009 colaboraram direta ou indiretamente para que o sonho e a filosofia de Nise da Silveira permaneçam vivos e atuantes na criatividade ocupacional, emoção de lidar, estudo e pesquisa das Imagens do Inconsciente. E deseja um Feliz Natal com Felizes anseios de novos projetos e realizações para 2010.

_____________

Natal
Olavo Bilac

Jesus nasceu ! Na abóbada infinita
Soam cânticos vivos de alegria;
E toda a vida universal palpita
Dentro daquela pobre estrebaria.

Não houve sedas, nem cetins, nem rendas
No berço humilde em que nasceu Jesus...
Mas os pobres trouxeram oferendas
Para quem tinha de morrer na Cruz.

Sobre a palha, risonho, e iluminado
Pelo luar dos olhos de Maria,
Vede o Menino-Deus, que está cercado
Dos animais da pobre estrebaria.

Não nasceu entre pompas reluzentes;
Na humildade e na paz deste lugar,
Assim que abriu os olhos inocentes,
Foi para os pobres seu primeiros olhar.

No entanto, os reis da terra, pecadores,
Seguindo a estrela que ao presépio os guia,
Vêem cobrir de perfumes e de flores
O chão daquela pobre estrebaria.

Sobrem hinos de amor ao céu profundo;
Homens, Jesus nasceu! Natal! Natal!
Sobre esta palha está quem salva o mundo
Quem ama os fracos, quem perdoa o Mal!

Natal! Natal! Em toda Natureza
Há sorrisos e cantos, neste dia...
Salve, Deus da Humildade e da Pobreza,
Nascido numa pobre estrebaria!
*******************************

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Expressões Silenciosas



O projeto “Expressões Silenciosas”, como processo terapêutico, buscou registrar, de forma singela, as riquezas produzidas no silêncio das palavras. As mãos que trabalham, os olhos atentos, que tudo observam, a simplicidade dos gestos, o sorriso que surge diante do novo, do simples, a alegria que transborda, a seriedade que surpreende, a plenitude que nos toca, palavras que não são ditas, mas expressas.
O trabalho, inspirado na exposição “Paisagens Silenciosas”, de Lucila Wroblewski, teve como base os livros de Nise da Silveira: “Terapêutica Ocupacional” e “Casa das Plmeiras -Emoção de Lidar”. A exposição na Casa das Palmeiras permaneceu por 1 mês no local e durante esse período o local foi preenchido por belíssimos concertos, clássicos por todos conhecidos, tocados diariamente no som do local.
A exposição ficou alocada em um pequeno espaço do salão principal e todas as fotos, coladas em ambos lados de uma pequena moldura de cartolina , ficaram suspensas apenas por fios de nylon, de diversos tamanhos, de modo que ficassem "livres", dançando no ar. Os clientes se mostraram muito curiosos com a novidade na Casa; o local escolhido para a mostra das fotografias. E foi imensamente prazeroso ver alguns clientes se aproximando, lentamente e silenciosamente, buscando suas fotos. Alguns voltavam, atentos a suas próprias imagens, outros observavam os amigos, os que diziam não ter gostado da própria postura enquanto trabalhava, os que confirmavam "este aqui sou eu no ateliê?" e ainda os que se surpreendiam com a sua própria expressão.
Vanessa Ferreira – Psicóloga - Colaboradora
______________________________________________

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Memória

A obra de Nise da Silveira sempre cresceu com grande colaboração dos artistas nas mais váriadas áreas - Artes plásticas, Teatro, Música, Dança, Poesia, Literatura. Sem esquecer nas áreas da Ciência, Mitologia, Psicologia, Medicina, Filosofia e Religiões comparadas.
As atenções culturais em torno de Nise nos Grupos de Estudos C. G. Jung, Flamengo, e no Museu de Imagens do Inconciente, Engenho de Dentro, constituiam, formavam, uma verdadeira Universidade Livre.
Incontáveis as memórias dos acontecimentos impulsionados por Nise: exposições, simpósios, conferências, cursos livres; polo vivo de Criatividade.
Fica aqui registrado um eterno agradecimento aos Artistas Plásticos que colaboraram e/ou doaram suas obras para o Leilão de Artes em 1967, de fundamental importância para a continuidade da Casa das Palmeiras naqueles anos de reorganização.
**********
Do dia 25 ao dia 27 de setembro de 1967, realizou-se um histórico
Leilão de Artes em benefício da Casa das Palmeiras.
Coordenado pelo crítico de arte Mark Berkowitz
e pelo leiloeiro Affonso Nunes.

Uma cerâminca de Picasso foi doada por Dr. Mario Magalhães da Silveira, esposo de Nise.
As obras foram doadas por mais de 250 artistas plásticos:

Abraham Palatinik / Anna Bella Geiger / Anna Letycia / Augusto Rodrigues / Francisco Antares / Antônio Maia / Abelardo Zaluar / Maciez Babinski / Isa Aderne Vieira / Ivan Serpa / Newton Cavalcanti / Nisete Sampaio / Helena Wong/ Isabel Pedrosa /Almir Mavignier / / José Barbosa / Edith Behring / Aluysio Zaluar / Wilma Martins /Rachel Strosberg / José de Dome / Grauben / José Assumpção de Souza / Gastão Manuel Henrique / Maria Teresa Vieira / Carlos Vergara / José da Lima / Enrico Bianco / Tiziana Bonazzola Barata / Ely Braga / Reno Bernucci / Farnese de Andrade / José Tarcísio / Marília Rodrigues / Marcelo Grassman / Fayga Ostrower /Ilka Teresa / Lygia Clark / Bruno Giorgi / Rubens Gerchman / Nina Barr / Paulo Moreira da Fonseca / Frank Schaeffer / Gerson de Souza / Inimá de Paula / Inge Roesler / Cândido Portinari / Silvia Chareo / Darel Valença / Maria Luisa Leão / Madeleine Colaço / Zélia Salgado /Gilberto Jiménez López / Roberto de Lamônica / Carlos Scliar / Milton da Costa / Carlos Augusto Mendonça / Darcílio de Paula Lima / Gilberto Guimarães Bastos / Albery / Durval Serra / Roberto Moriconi / Poty / Marie Brych / Roberto Oswaldo / Jacyra Moraes Aranha / Maria de Lourdes Novaes / Elsa de Souza / Oscar Niemeyer / Ilo Krugli / Pedro Touron /Luiz Antônio Pires / Roberto Scorzelli / Elyseu Visconti Cavalheiro / Vera Roitman / Walter Marques / Maria Cecília / Mário Gruber / Oswaldo C. / H. Cavalheiro / Leonor Greves / Victor Décio Gerhard / Olga Abramson/ Aldary Toldedo/ Athos Bulcão / Marilia Gianneti Torres / Humberto Cerqueira / Frei Nazareno Confalzoni / Miriam Cerqueira / Ricardo Gatti / José Paixão / Edouard Sued / Dileny Campos / Tomas Santa Rosa / Lúcio Cardoso / Di Cavalcanti / Holmes Neves / Wildmar Franz / Gildemberg Kokotschka / Chico Sampaio / Olly Reiheimer /Miriam Monteiro / Araújo Lima / Maria Adelaide Marques Martins Schuhtz / Ângelo Hodick / René Lúcio / Marlene Hori / Dr. José Américo / Simone Sá / Gilda Lisboa / Leite Lopes / Artur Alípio Barrio de Souza Lopes / Leopoldo Méis / H.B.Artista Bahiano / Francisco Brennand / Paulo César Pimentel / Vinício Horta / Pietrina Checcacci / Ziraldo / Dora Basílio / Maria do Carmo Secco / Stendhal / Picasso / Celina Fontoura / Pedro Araújo Correia Parodi / Elias João Kaiuca / Flávio Marinho Rego / Isabel Pons / José Pinto / Caio Mourão / Inácio Rodrigues / Georgette Melhem / Galileu Campos de Resende / Millor Fernendes / Pedro Amado / Arturo Kubotta / Djanira / Bezerra Francisco / Francisco da Silva / Israel Szajmbrum / Lula Cardoso Ayres.
****

domingo, 29 de novembro de 2009

Imagens do inconsciente

Acervo da Casa das Palmeiras

Desenhos de Jair - técnica mista - lápis cera, pastel, grafite - 24 x 38 - 1987, 1989
___________________________

segunda-feira, 23 de novembro de 2009

Ciclo de Palestras

Centro Cultural Laurinda Santos Lobo

Conversa informal sobre as atividades plásticas

na Casa das Palmeiras
- Pequeno território livre de criatividade, estudo e pesquisa -

Expressões Plásticas no tratamento terapêutico.

Com Vanessa Ferreira e Martha Pires Ferreira

Haverá mostra em CD de trabalhos realizados em vários ateliês e oficinas criativas.

Dia 27, sexta-feira às 20h – aberta ao público.

Local:
Rua Mote Alegre, 306 / Santa Teresa
Bondinho ou ônibus 214 - Paula Matos

Informações tel 2242-9741 (Centro Cultural)
e 2266-6465 (Casa das Palmeiras)
__________________________

domingo, 15 de novembro de 2009

Ateliê de Colagem


O Ateliê de Colagem está à disposição dos clientes na Casa das Palmeiras de segunda à sexta-feira sempre das 13h00 às 15h30. Geralmente é neste horário que esta atividade está ativada. Este espaço de criação encontra-se numa ampla sala do 2º andar do prédio onde estão à disposição dos clientes folhas de papel branco ou de cores, papéis fantasia, tesouras para os recortes, cola polar, lápis de cera, lápis de cor. Os clientes utilizam ainda para expressar suas idéias e emoções papeis de revistas com variadas imagens; paisagens, pessoas, objetos, animais e mesmo frases de reportagens. Este Ateliê de corte e colagem cria condições para que cada um possa executar seus próprios trabalhos e experimente cada vez mais as várias possibilidades que as imagens, as cores, a composição em geral toque em seu universo pessoal deixando-o satisfeito e feliz com a criação. Importante é deixar que cada um realize seu trabalho com liberdade de expressão.
O Ateliê costuma receber em torno de quatro a sete clientes por dia. Os mais assíduos aparecem com certa freqüência. Por vezes acontece que alguns não conseguem realizar alguma atividade; apenas manuseiam o material, observam as imagens das revistas. Os trabalhos de corte e colagem constituem mais uma porta para a reorganização do mundo interno e externo, assim como para a reintegração da convivência social. Muitas vezes manuseando as revistas os clientes fazem perguntas sobre fatos importantes que estão acontecendo na vida em sociedade e colocam no papel observações das impressões vividas. Por vezes reclamam, expressam emoções transmitindo ansiedade. Recortar quadrados, triângulos, círculos ou retângulos de uma folha lisa colorida ou de tipo fantasia pode ser um esforço muito grande para um ou mais cliente. Cada um com suas tensões próprias descobre o que suas emoções solicitam. As relações com os materiais interagem na vida emocional e psíquica propiciando, geralmente, satisfação e prazer.
Este Ateliê em tempos de festas comemorativas da Casa é muito procurado e ativado para a realização de Cartões personalizados. Isto ocorre para as Festas de Carnaval (quando fazem, também, os enfeites), Páscoa, São João - Junina (as bandeirinhas), Primavera (as flores) e Natal (o Presépio e os enfeites). Os Cartões são convites para as famílias e amigos comparecerem às Festas. Os enfeites para as festas são realizados e guardados neste Ateliê quando todos juntos dias antes da festa, com auxílio das estagiárias e dos estagiários, enfeitam a Casa como desejarem. Cada um colabora a seu modo com espontaneidade.
___________________________________

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Nise da Silveira > 1905 - 30/10/1999



Três desenhos a guache - criação plástica - acervo da Casa das Palmeiras

O Tema Mítico do Deus Sol

Nise da Silveira – Eternas saudades!
Imagens do Inconsciente, p. 315
– 1981, Alhambra, RJ.

O sol simboliza, na psicologia junguiana, ‘o ego e seu campo de consciência’. A personificação do ego sob a forma do ‘corpo refulgente do sol’ decorre de ser o ego o ponto de referência central da consciência e de sua função criadora do mundo como objeto (Jung, C. G. – C. W. , 14, 108). É assim que o sol, direta ou indiretamente, está presente em múltiplas versões do mito do herói, quando esta, depois de vencer os monstros das travas, saindo de uma condição de semi-inconsciência, consegue trazer a realidade para a luz da consciência, recriando o mundo.
No mesmo sentido pesa a opinião de Mircea Eliade que afirma a existência de paralelismo entre hierofanias solares e o desenvolvimento do racionalismo. Somente no Egito, onde floresceu uma alta civilização, o culto do sol propriamente dito alcançou verdadeira predominância. E na América, foi no Peru e no México, isto é, entre os únicos povos desse continente que atingiram autêntica organização política, que o culto do Sol chegou ao apogeu. Teria havido, pois, concordância entre a supremacia das hierofanias solares e o
desenvolvimento histórico (Mircea Eliade – Traité d’histoire des Religions, p 115. Payot, paris, 1968).
Mas acontece igualmente que o sol, pela magnitude de seus atributos específicos, impõe-se como símbolo do self, ou seja, do centro ordenador da psique, bem como da totalidade psíquica. E ‘o self é a imagem de Deus ou, pelo menos, não pode ser distinguido dessa imagem’ (Jung, C. G. – C. W., 9ii, 22). Self, imagem de Deus, sol, acham-se em estreita correlação.
O sol aparece como símbolo da imagem de Deus, não só na antiguidade pagã mas também no cristianismo.
*************************

quinta-feira, 29 de outubro de 2009

O Tema Mítico do Dragão-Baleia

Guache - J.

O dragão-baleia em imagens

Nise da Silveira / Imagens do Inconsciente (pg.191)- 1981, Alhambra, RJ.

“O tema mítico da viagem e do encontro com o monstro marinho é como todos os temas míticos ‘a expressão de dramas interiores inconscientes’ (Jung, C. G. - C.W. 9, 6).
O drama do encontro com o monstro exprime a situação perigosa para o indivíduo de ser tragado pelo inconsciente, representada na imagem do risco de devoramento pelo enorme animal habitante das profundezas do mar. Quando, sob o impacto de afetos intensos, o inconsciente se reativa em proporções extraordinárias ameaçando submergir o ego consciente, não e raro que se configurem monstros nas matrizes arquetípicas de onde têm emergido figuras semelhantes no curso de milênios.
Descendo às entranhas do monstro, isto é, ‘ao substrato psíquico, este escuro reino do desconhecido exerce atração fascinante que se torna tanto mais perigosa quanto mais o herói penetra em seus domínios’. Ele corre o perigo de ficar ‘prisioneiro no mundo subterrâneo do fundo do mar exposto a toda espécie de terrores’. Esta terrível experiência psicológica estimulará e renovará o herói que por fim conseguirá vencer o monstro. Outros sucumbem, resultando da derrota ‘a desintegração da personalidade em suas componentes – funções do consciente, os complexos, fatores herdados, etc. Desintegração que poderá ser transitória ou mesmo uma verdadeira esquizofrenia’(Jung, C. G. – C. W. - 12, 320).
Nos mitos, diz Jung, ‘o herói é aquele que conquista o dragão, não aquele que é vencido. Mas ambos defrontam-se com o mesmo dragão’(Jung, C. G. – C. W. 14,531).
******************************

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Dia 30 de outubro

Com 10 anos de muitas saudades, dia 30 deste mês de outubro, estaremos na Casa das Palmeiras realizando um singelo encontro lembrando nossa queridíssima
Nise da Silveira.
Às 15h30 um lanche informal seguido de homenagem ecumênica realizada pelos clientes, estagiários, colaboradores e amigos que possam estar presentes.

Nise vive no coração do mundo!
***************************************

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Imagens do Inconsciente

De nossa eterna e viva Nise (15/02/1905 – 30/10/1999)

“O estudo das imagens que se originam nas matrizes arquetípicas do inconsciente coletivo é uma verdadeira pesquisa arqueológica. Mas a arqueologia da psique é ciência muito peculiar. Enquanto os achados da arqueologia, propriamente dita, mantêm-se sempre iguais, os conteúdos do inconsciente coletivo estão em constante movimento; agrupam-se e reagrupam-se, interpenetram-se e mesmo são susceptíveis de transformações. Esta é a concepção junguiana de inconsciente coletivo, concepção essencialmente dinâmica”.

Nise da Silveira
Imagens do Inconsciente Ed. Alhambra, 1981 - RJ.
_______________________

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Minha vida na Casa da Solidão

Nise da Silveira – Texto do artigo publicado na revista Manchete,
Rio de Janeiro, 10 jun. 1967.

“Sempre me pareceu inteiramente sem importância fazer um diagnóstico e pôr um rótulo numa pessoa.
Esquizofrenia...esquizofenia...esquizofrenia. Isso não diz nada. O fundamental é o encontro com aquela pessoa. A certa altura, me pareceu que a esquizofrenia não é uma doença propriamente dita, com as características clássicas das doenças. A esquizofenia resulta de cisões internas com o mundo exterior, causadas por situações externas, demasiado fortes para certos indivíduos. São eles, na maioria, frágeis para suportar o que nós outros suportamos – talvez até por serem melhores do que nós”.
________________________

sábado, 17 de outubro de 2009

Entrevista com Nise da Silveira (1905 -1999)


Do Caralampismo à Emoção de Lidar -
Uma abordagem não ortodoxa da esquizofrenia

Revista Ano Zero / setembro de 1991 – RJ.
Trechos:

Ano Zero – Dra. Nise, Artaud dizia que “o ser tem estados inumeráveis e cada vez mais perigosos”. A esquizofrenia seria uma doença ou um estado do ser?
Nise da Silveira – Um estado do ser.
(...)
AZ – Um dos seus pacientes...
NS – Nada de pacientes! As pessoas.
(...)
AZ – A senhora se refere à esquizofrenia como um mergulho profundo. A cura seria resgatar o indivíduo deste mergulho, reestabelecendo seus contatos com a realidade?
NS – Certa vez um rapaz esquizofrênico, que já estava em situação razoável, na Casa das Palmeiras tinha dúvidas “Eu vou me curar?” Eu lhe perguntei o que ele chamava de cura e ele me respondeu que estar curado seria voltar ao trabalho. Ele era escriturário e eu lhe disse: “Nem sonhando! Eu quero que você seja muito mais do que um escriturário”.
(...)
AZ - A Casa das Palmeiras não tem escriturários?
NS – Não. (...) A casa não visa lucros comerciais, não é uma fundação, não tem convênios e nem os quero. No Jornal O Estado de São Paulo saiu algo engraçado, mas verdadeiro, o que é raro em jornal. Publicaram o meu retrato, dizendo: “Ela prefere ser uma loba faminta a um cão na coleira”.
******************

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Nise vive

Dia 30 de outubro 2009 comemoram-se os 10 anos da morte de nossa querida e eterna Nise da Silveira (1905 – 1999).

Em sua memória transcrevemos belíssimo texto da Carta VII, de sua obra
(esgotada) Cartas a Spinoza,
pgs. 105, 106. Livraria Francisco Alves Editora, 1995, RJ.

Além dos dois gêneros de conhecimento, experiência vaga e conhecimento racional de idéias adequadas, você descobriu um terceiro gênero de conhecimento: a ciência intuitiva, que “progride da idéia adequada da essência das coisas” (E., II, XL, ESCÓLIO 2). E é por meio desse terceiro gênero que será feita a escalada até o cume da sua “montanha de cristal”.
De ordinário concebemos as coisas em relação a um certo tempo e a um certo lugar, mas, através do terceiro gênero, passamos a concebê-las contidas em Deus, ou seja, sob a espécie da eternidade (E.,V, XXIX). Tudo fica diferente concebido sob este aspecto. E muito superior ao conhecimento pelo primeiro ou segundo gênero, aos quais estamos habituados. Este terceiro gênero conduz ao conhecimento da essência das coisas, proporcionando ao espírito ampliação da sua parte eterna, grande alegria e capacidade para um amor liberto de quaisquer sentimentos espúrios ou egoístas, amor que não poderá ser destruído por nenhuma
força da natureza (amor intelectual).
Agora você vai permitir que eu me detenha, com sua ajuda, frente ao emocionante tema da morte.
Começo relembrando suas palavras
: “Uma vez que os corpos humanos são aptos a um grande número de ações, não é para duvidar que possam ser de tal natureza que estejam unidos a espíritos possuidores de grande conhecimento deles próprios e de Deus, em cuja maior ou principal parte seja eterna. Por conseqüência, não terão medo da morte” (V, XXXIX). A parte que perece com o corpo não terá nenhuma importância comparada à parte que persiste (E., V, XXXVIII). Aliás, você já havia dito em E., IV, LXVII: “O homem livre em nada pensa menos que na morte, e sua sabedoria é uma meditação não sobre a morte, mas sobre a vida”.
Perdoe-me todas estas citações; elas visam a reavivar em mim idéias que me impressionaram, e não para você, é óbvio.

(E. Ética de Spinoza – “Breve Tratado” in Oeuvres Completes. Paris, Gallimard, 1954).
__________________

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Origem do nome Casa das Palmeiras


"(...) Logo começamos a elaborar as normas da nova instituição: Maria Stela Braga, psiquiatra, Belah Paes Leme, artista plástica, Ligia Loureiro, assistente social, e Nise da Silveira, psiquiatra. Para isso nos reuníamos no ateliê de Belah, e foi ela quem encontrou o título CASA DAS PALMEIRAS, visto que o casarão da Rua Haddock Lobo possuía em seu jardim de frente um grupo de belas palmeiras. Assim evitávamos dar à renovadora instituição um nome que de alguma maneira aludisse às doenças mentais, tão discriminadas socialmente.
Com a presença de alguns psiquiatras e numerosos amigos, foi inaugurada a Casa das Palmeiras no dia 23 de dezembro de 1956. A Casa, uma instituição sem fins lucrativos, começou a funcionar imediatamente. Permanecemos no prédio do antigo Colégio La-Fayette até 1968.”
( Nise da Silveira – Casa das Palmeiras, Emoção de Lidar, 1986).

Em 1968 a Casa foi transferida para a Rua D. Delfina nº 39, Tijuca, permanecendo neste aprazível local até 1981, quando mudou para a Rua Sorocaba, 800, Botafogo (foto), onde permanece atuante e fiel aos métodos fundamentados por sua idealizadora e fundadora, Nise da Silveira (1905 – 1999).
_________________________________

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

GRUPO DE ESTUDOS G. JUNG

CASA DAS PALMEIRAS

Às quartas-feiras de 15 em 15 dias / 2009

Psicologia e Alquimia
de C. G. JUNG

Dia 16 e 30 de setembro /14 e 28 de outubro /
11 e 25 de novembro e 9 de dezembro.

Horário: Início às 19h / término às 20h30

Local: Rua Sorocaba, 800 – Botafogo
Inf.: Tel. 2266-6465 (das 13h às 17h) / 2242-9341

O GRUPO DE ESTUDOS É GRATUITO
* Está aberto ao público em geral *

Bem vindos os artistas, filósofos, psicólogos, pensadores livres, cientistas, antropólogos, sociólogos e/ou qualquer pessoa que desejar ler, estudar e/ou conhecer, mais profundamente as Obras de C.G. Jung e Nise da Silveira
_________________________________

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Manoel de Barros na Casa das Palmeiras

Ora vejam vocês, Marcus Vinicius Quiroga, num chamejamento poético,
sutilmente alcançou o desaparecimento das falas de todos
na Casa das Palmeiras.
Em torno da grande mesa na Atividade de Poesia, hoje segunda-feira,
ofereceu a cada um presente, em copos luminosos,
o encantamento de Manoel de Barros:

Infantil

O menino ia no mato
E a onça comeu ele.
Depois o caminhão passou por dentro do corpo do
menino
E ele foi contar para a mãe.
A mãe disse: Mas se a onça comeu você, como é que
o caminhão passou por dentro do seu corpo?
É que o caminhão só passou renteando meu corpo
E eu desviei depressa.
Olha, mãe, eu só queria inventar uma poesia.
Eu não preciso de fazer razão.
___________
E mais outras poesias em três folhas tecidas em lirismo.
Papeis e canetas sobre a mesa, um convite à criatividade.
Cada um poetizou Manoelbarrezeando em plena beleza tetral.
_____________
Esta Atividade tem a colaboração mensal do poeta Augusto Sérgio Bastos.
Augusto trouxe, hoje, um convidado especial para conduzir esta atividade literária; Marcus Vinicius Quiroga que é poeta, contista, crítico literário e ensaísta, autor de vários livros, recebeu o Prêmio Jabuti em 2008, pela Câmara Brasileira do Livro, com a obra O xadrez e as palavras.
******************

sábado, 26 de setembro de 2009

Xilogravura

Nosso Ateliê de Xilogravura, para ser reativado em sua magnitude, necessita de um profissional habilitado. Por razões de falta de recursos para pagarmos um profissional com experiência estamos apenas trabalhando no campo de arquivo e pesquisa. Um artista voluntário, por umas horas da tarde, nos será grande dádiva! Contatos: Tel. 2266-6465.

ATELIÊ DE XILOGRAVURA

A atividade de Xilogravura é uma das mais tradicionais como possibilidade terapêutica ocupacional na Casa das Palmeiras - uma das jóias do método criativo na terapêutica ocupacional para Nise da Silveira.
O ateliê fica localizado no 2º andar da Casa das Palmeiras numa ampla sala aberta, com muitas estantes onde estão guardadas as matrizes de madeira com o nome de cada cliente. Numa grande mesa estão colocadas as madeiras, cortadas em pequenos tamanhos, para serem talhadas com vários tipos de goivas à disposição. Cadeiras estão em torno da mesa. Lápis grafites ficam à disposição para desenharem antes de trabalharem na madeira.
Numa sala ao lado estão arquivadas cópias em papel, com tintas de várias cores - todas guardadas em pastas. As gravuras são, quando necessário, objeto de pesquisa e estudo nas supervisões semanais. E estão à disposição para qualquer pessoas quem venha à Casa fazer pesquisas de campo.
As imagens quando impressas, em papeis especiais, surgem em dimensões que se possibilita ver onde a madeira foi talhada em sua profundidade.
Este ateliê necessita de um artista xilogravador, técnico especializado. A escolha das madeiras e o trabalho com as goivas, mais o uso das tintas no preparo para tirar as cópias requer experiência e técnica especial muito delicada por parte do xilogravador - mestre neste oficio.
Nas segundas e quartas-feiras deram-se oportunidades de se trabalhar por algum tempo cuidando do rico acervo da Casa. Poucos clientes tiveram oportunidade de trabalharem neste ateliê e sentiram-se contentes mantendo-se ali concentrados e cuidadosos na execução desta atividade. Demonstraram tensões na expressão do rosto e satisfação em manusear as goivas ao fincá-las na madeira, observando sempre os cortes com toda a atenção. Esta atividade requer cuidados em particulares de monitores auxiliares para não se ter cortes nas mãos.
Cuidar das madeiras e organizar as matrizes nas estantes é darmos importância a este ateliê, é dar oportunidade de se conviver com a textura do material quente e sólido que é a madeira. Desenhar e talhar é um processo que acontece naturalmente.
Neste este ateliê de Xilogravura já colaboraram, trabalharam e circularam grandes xilogravadores brasileiros, honrados em dar seu precioso tempo na continuidade da obra de Nise da Silveira.

domingo, 20 de setembro de 2009

C. G. Jung - carta de 25/11/1932

“O inconsciente em si não é traiçoeiro nem mau – é nataureza, tanto bela como terrível. Quando o inconsciente se mostra hostil e mau, então isso depende de sua própria atitude, que se entrega levianamente ao mundo sedutor de suas imagens. Quando temos que nos ocupar com o inconsciente em geral, então deve ser apenas de maneira ativa. Sobretudo não se deve aceitar cegamente ou ao pé da letra nada do que o inconsciente produz. Tudo deve ser submetido a uma avaliação precisa, pois em geral é altamente simbólco. Podemos rejeitar totalmente um conteúdo como tal, mas o importante é a compreensão de seu sentido simbólico para decidir sobre sua aceitação.

O caminho criativo é o melhor para lidar com o inconsciente.”

C. G. Jung – Cartas 1906 – 1945, pág. 124/ Ed. Vozes Vol. I.

____________________________________________

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

AVE FENIX !

Guache sobre papel - 25 x 45 - P. M.

Guache sobre papel - 35 x 50 - R.

Nise da Silveira.

“Todo ato de criação, mesmo o mais simples e despretensioso, implica um encontro entre consciente e inconsciente. É na chama desse encontro, de intensidade maior ou menor, que fragmentos da psique dissociada juntam-se de novo, que se encontram símbolo transformadores da energia psíquica e veículos que a conduzem a níveis de consciência mais elevados”.

Casa das Palmeiras, 3 de setembro de 2009! Ave Fenix !
______________________________

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

Passeio Cultural


Amigos/as da Casa das Palmeiras
Convidam você a integrar nosso alegre grupo

Passeio Turístico e Cultural a


Paty do Alferes e Miguel Pereira

- Benefícios para a Casa das Palmeiras -

Programação:

-Visita a Aldeia de Arcozelo e seu Museu;
-Visita a Orfanato e integração com crianças;
-Tour pela cidade;
-Almoço no Hotel Javary;
-Entretenimentos;
-Recreações e música ao vivo.

Dia 10 de setembro de 2009 (5ª feira)

Saída: 8h00
Retorno ao Rio de Janeiro:18h00

Local de saída: Av Atlântica, 2150
(entre as Ruas Paula Freitas e Hilário de Gouveia)
Preço: R$100,00 (cem reais) – Tratar com Frida
Tels. 2547-9115 ou 9998-9098

*************************************

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Alquimia poética

Soneto ao Gato

Para a psiquiatra – poeta Nise da Silveira,
com a devida licença de Olavo Bilac

“Ora (direis) falar com gatos! Certo
Perdeste o senso!”E eu vos direi, no entanto,
Que esses esquivos felinos, decerto
Têm uma verve clara e cheia de encanto.

E sem malícia digo isso, porquanto
Sou testemunha, assisto de bem perto
Aos colóquios constantes – Ah, que espanto!
Bichanos com Nise: são um livro aberto.

“Loucura, insensatez”, direis agora
“Que diálogo com eles essa dama
Tem? Em que língua fala essa senhora?”

São conversas sutis, transcendentais
Na linguagem de Assis, que nos inflama
Só entende quem ama os animais.

Agilberto Calaça

-Diretor da Casa das Palmeiras – 2002/2004.
___________________________

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Imagens do Inconsciente

C. B. 2009 - Desenho lápis de cera sobre papel - 35 x 50 cm.
C. B. 2009 - Desenho lápis de cera sobre papel - 36 x 50 cm.

Produções do ateliê de desenho e pintura
***********************************************

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Encontro coloquial

com
Cintia Martins Dias
- Doutora em Filosofia -
*
HEIDEGGER E A PSIQUÉ
****
Dia 25 de agosto de 2009
Às 18:30 / terça -feira
___
Casa das Palmeiras
Rua Sorocaba, 800
Tel 2266-6465
___
Convidados :
Estagiários, colaboradores e amigos
****************

domingo, 9 de agosto de 2009

Criatividade e convívio humano

"O eixo da Casa das Palmeiras é cultural, não é psiquiatria nem medicina".
"Ver o lado saudável do doente. O núcleo é saudável".
Nise da Silveira
****
As atividades criativas realizada nos ateliês, os trabalhos em grupo e o afetivo convívio humano do dia a dia enriquecem a vida interna e externa dos clientes, assim como amigos, colaboradores, médicos, coordenadores e estagiários/as que culturalmente acompanham o grande sonho de Nise.
__________________

terça-feira, 21 de julho de 2009

Encontro coloquial

com

Marcus Quintaes

Quantos caminhos para a Psicose?
Uma perspectiva junguiana.
****
Dia 28 de julho de 2009
às 19h00 / terça-feira

Casa das Palmeiras

Rua Sorocaba, 800

Convidados:
Antigos colaboradores, estagiários e amigos.
********************************************

quarta-feira, 15 de julho de 2009

Mito, Psicologia e Arte.

Astrocosmologia
Palestras
Sábados das 16h30 às 18h00
****
Imaginário Mitológico -
Analogias entre o macro e o microcosmo - O corpo humano.
*As mutações do mundo contemporâneo *

Dia 1 de agosto tivemos uma bela palestra de
Patricia Antunes
- Coordenadora de Psicologia da Casa das Palmeiras.
ARTENIS - SELENE - A LUA
O SENTIMENTO - a imaginação. Percepção, sensibilidade, susceptibilidade, sonhos e ilusão. A família, a infância. O feminino.
Signo de Cancer
___________________
Dia 8 de agosto intergindo com o público ARES - MARTE o senhor das batalhas, das guerras e dos atos heróicos.
Da sexualide e da alegria.
Signo de Áries
*************
Dia 15 de agosto não haverá Palestra.
*************
Dia 22 de agosto falaremos sobre o mito de Afrodite - Vênus
A Beleza e a Sensualidade - Laços de afeto e o desamor
Signos de Touro e Libra
Participação de José Maria Gomes Neto - astrólogo
____________
Dia 29 de agosto
O mito de Hermes / Mercúrio
Com Jayme Carvalho - economista e astrólogo
Abordaremos a Palavra e a Comunicação. A informação. A lógica e a razão.
Signos de Gêmeos e Virgem
Local
Casa das Palmeiras
Rua Sorocaba, 800 – Botafogo.
Tels. 2242-9341 e 2266-6465
****
Valor: R$ 15,00
________________________

domingo, 12 de julho de 2009

Atividade Plástica

Desenhos a guache - 48 x 33 cms. PM
___________________________________
Ateliê de Pintura

O ateliê de pintura é um dos setores mais freqüentados da Casa e é onde se faz as atividades de desenho e pintura com tinta guache. A sala é composta de uma grande mesa central, com cadeiras ao redor, onde estão dispostos os papéis de variados tamanhos, lápis de cor, giz de cera, lápis pastel, lápis grafite, canetas esferográficas, borrachas e réguas em diversos formatos. Perto desta mesa ficam um cavalete e uma estante com os materiais da pintura, como as tintas e os pincéis. Um enorme painel ocupa uma das paredes da sala com os trabalhos de todos os clientes que freqüentam ou já freqüentaram o ateliê. Alguns quadros pintados pelos clientes também decoram todo o espaço dando-lhe um clima acolhedor e colorido. Há uma grande janela ao fundo da sala permitindo a iluminação da luz do dia. E ao lado desta sala central há uma pequena saleta com janela e uma mesa para aqueles que gostam de trabalhar mais isoladamente.
Todos os trabalhos realizados no setor podem ser arquivados em pastas individuais; em grandes gavetas (no caso das pinturas grandes) ou expostos no interior da Casa das Palmeiras.
Os ateliês individuais funcionam de 13h às 15h30. Os de pintura em média freqüentam entre cinco a dez clientes. A maior parte dos clientes trabalham regularmente neste setor. Alguns deles costumam realizar grande quantidade de trabalhos com temas repetitivos. Outros se entregam na produção criativa e se concentram durante todo o tempo fazendo poucos trabalhos por dia.
A pintura é feita de forma livre sem a preocupação das técnicas estéticas. O grande foco desta atividade é a livre expressão das imagens surgidas do inconsciente que são reveladoras dos conflitos enfrentados pelo indivíduo. É no constante embate da escolha das cores, dos papéis e dos pincéis que o indivíduo pode expressar suas emoções que muitas vezes escapam ao domínio da linguagem verbal.
O silêncio no ateliê ajuda os clientes a entrarem mais em contato consigo mesmo para se concentrarem e mergulharem na atividade.
Através da fluidez das tintas na pintura é possível canalizar tensões e sentimentos; misturando e brincando com as cores, fazendo traços fortes, rabiscos. Experimentando as diversas formas figurativas ou abstratas.
Alguém responsável está sempre presente e atento aos processos que acontecem no ateliê sem, no entanto, direcionar os trabalhos. Colaborador ou estagiária responsável deixa o setor organizado, lava os pincéis, anota e arquiva os trabalhos realizados.
A função terapêutica da pintura é deixar os clientes se expressar com liberdade. É deixar fluir o mais naturalmente possível longe das amarras da repressão e do raciocínio lógico. Deixar emergir do inconsciente as imagens, símbolos, sensações e sentimentos antes inacessíveis. Tarefa essa que não é nada fácil e tem que ser construída e reconstruída a cada dia, num longo processo, numa grande batalha repleta de desafios e inúmeras surpresas.

Luciana Manhães - Estagiária de Psicologia.
____________________________


terça-feira, 7 de julho de 2009

A cerimônia do Chá



A cerimônia do chá, conhecida como "chanoyu" em japonês, é um passatempo estético peculiar ao Japão que se caracteriza por servir e beber o "matcha", um chá verde pulverizado.
A cerimônia do chá regular consiste: da primeira sessão na qual uma refeição ligeira, denominada "kaiseki", é
servida; da "nakadachi" ou breve pausa; da gozairi , a parte principal da cerimônia, onde o "koicha" ou chá de textura espessa, é Servido e da ingestão do "usucha" ou chá de textura fina. Toda a cerimônia leva cerca de quatro horas. Frequentemente, apenas o "usucha" é servido, o que requer cerca de uma hora.
No dia 08 de Junho, último, o Grupo Cultural na Casa das Palmeiras foi bem diferente: realizou-se uma cerimônia do chá. A nossa “chanoyu”, cerimônia do chá, ocorreu de forma muito tranqüila. Uma pequena “sukiya” ou casa do chá foi montada na nossa sala principal. Esteiras foram estrategicamente colocadas no chão e a decoração ficou por conta de alguns objetos orientais e os arranjos ou “ikebanas” produzidos na atividade anterior. Uma pequena história foi contada e depois todos ficaram em silencio, ao som de belíssimas sinfonias orientais enquanto o “matcha” ou chá era servido. Existiam três tipos de chá: chá verde com folhas de 5 anos, chá verde com folhas de 2 anos e chá mate, típico em nossa cultura brasileira. Os chás foram servidos em pequenas "cha-wan" (tigelas) de plástico e todos puderam degustar o “matcha” enquanto meditavam ou observavam os trabalhos e objetos no local. Em um determinado momento de nossa cerimônia, Fabrício nos prestigiou com uma seleção de músicas brasileiras ao som do violão, dando um toque bem brasileiro e totalmente descontraído a nossa cerimônia. No final, foi sugerido que as pessoas compartilhassem o sentimento através de depoimentos ditos ou escritos. De um modo geral, todos gostaram muito e sentiram uma enorme paz, sugerindo até mesmo que esta atividade aconteça mais vezes.

Eis aqui algumas frases que foram escritas:
“O grupo cultural de hoje dia 08/06/09 está muito bom, pois está transmitindo uma paz muito grande.” - T. J.
__________
“O chá estava quentinho, uma delícia, e muito saudável. Eu gostei muito
desse chá, do chá...e de saber sobre o chá, sua história...” - L. M.
___________________
“O caminho do chá
A disciplina do espirito
a) Retidão
b) tranquilidade
c) Serenidade
d) Compaixão
e) A paz...

A ética da conduta humana
a)Cordialidade
b)Humanidade
c)Sociabilidade
d)Moralidade
e)Educação da arte

Princípio do caminho da eternidade” - P. M.
_______________________
Organização: Vanesa Ferreira - Colaboradora / Psicóloga.
________________________________

domingo, 21 de junho de 2009

O Fazedor de Chuva

Jader Britto *
Lá pelos idos de 70 do século passado, reunia-se o Grupo de Estudos C. G. Jung sob a coordenação da psiquiatra Nise da Silveira, em apartamento situado à Rua Marques de Abrantes, no bairro de Botafogo. Toda quarta-feira às 8h30 da noite íamos chegando, sempre encontrando a presença dos gatos (Vivaldo, Abadessa etc.) que ocupavam de início todos os tambores em volta da longa mesa retangular.
A cada ano, o grupo elegia determinada obra de Jung de especial interesse pela atualidade do tema para leitura e troca de idéias. Em dada ocasião, optou-se pelo texto “O homem à descoberta de sua alma”. Em meio às discussões, interveio a Dra. Nise para ilustrar a busca de integridade psíquica com uma pequena história vinda do Oriente.
Conta a Dra. Nise:
_ Numa cidade do interior da velha China, ocorreu uma terrível estiagem. Os rios, as barragens, os açudes iam secando; o gado, as cabras, os bodes, a vegetação, tudo ia morrendo. O povo passava fome; com as crianças desnutridas intensificava-se a mortalidade infantil. Diante de tamanha calamidade pública, a Câmara de Vereadores se reuniu procurando uma solução. Um dos vereadores sugeriu que se contratasse um “fazedor de chuva” que atendia em centro mais desenvolvido da região. A Câmara autorizou o vereador a fazê-lo. Ao chegar à cidade o fazedor de chuva, o Prefeito perguntou quanto cobraria para realizar o milagre da chuva. Respondeu ele: a soma acertaremos depois. Por ora, faço duas exigências: que me arranjem um lugar afastado da cidade, uma pequena cabana onde possa repousar e que me tragam diariamente um pão e um copo dágua. Atendidas as exigências, o fazedor de chuva, sozinho na cabana, concentrou-se em profunda meditação.
Passados 15 dias, as chuvas chegaram, os rios botaram água, os açudes sangraram, o verde voltou à paisagem, os animais se reanimaram, a alegria voltou às ruas.
A Câmara de Vereadores prestou todas as homenagens ao Fazedor de Chuva e quis saber dele como havia conseguido o extraordinário milagre.
Respondeu ele: Ao chagar a esta cidade encontrei as pessoas completamente angustiadas, as mentes perplexas, alteradas, divididas, neuróticas. Naquelas circunstâncias pedi o que de melhor vocês podiam oferecer e com maior sacrifício: uma cabana tranquila, o pão e um copo dágua. Distanciado da neurose coletiva, concentrado, meditando, estava imune às tensões vividas pelo povo. Recebia o que precisava. E como estava inteiro, com a MENTE EM PAZ NÃO DIVIDIDA, naturalmente fui atraindo as coisas boas. As Chuvas chegaram até mim e por extensão a toda a cidade e região.
Conclui a Dra. Nise: Enfim, a divisão interna, a neurose, é a principal causa de nossos desajustes, de nossa infelicidade. Ai está a moral da história.
______
* Jader Brito – educador. Colaborador na obra de Nise nos anos 70; fundador do Museu de Imagens do Inconsciente e integrante do Grupo de Estudos C. G. Jung.
_____________________

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Lançamento

Senhora das imagens internas
Escritos dispersos de Nise da Silveira
****
Cadernos da Biblioteca Nacional 5
Coordenação Geral de Editoração e Pesquisa – FBN – 376 pgs.

Loja do Livro da Biblioteca Nacional - das 10h às 17h.
****
Significativo homenagear a desbravadora, precursora, pensadora, médica e humanista Nise Magalhães da Silveira (1095 – 1999) oferecendo a todos que a admiram uma obra com seus escritos, onde se possa acompanhar seu trabalho intelectual; nos apontando direções, nos convidando a mergulhos profundos na vida interna e realizações externas. Escritos repletos de simbolismo, de criatividade e de riquezas infindáveis.
Os quinze escritos; ensaios, prefácio ou artigo editorial foram organizados em ordem cronológica, transcrições fiéis - recolhidos desde 1935 até 1992. A maioria desconhecida do grande público pela razão de serem publicações em revistas especializadas, jornais e, em sua maioria, nas revistas Quaternio do Grupo de Estudos C. G. Jung, já esgotadas. Trecho da conferência - Filosofia e realidade social - pronunciada por Nise no Club de Cultura Moderna e publicada na revista Movimento, Ano I, nº 1 em maio de 1935. Texto achado por Jader Britto, pesquisador do Proedes/UFRJ.
Artigo escrito em 1986; Que é a Casa das Palmeiras. Publicada em 1990 e 1993; Carta a Spinoza. Em anexo breve trajetória biográfica e anotações das sábias palavras de Nise. Texto da organizadora Martha Pires Ferreira sobre Raphael Domingues e notas sobre a sua amizade de muitos anos com a tenaz, irredutível, alegre e doce Nise.
A organização do livro teve como proposta juntar num corpo uma parte significativa da contribuição que Nise da Silveira legou por escrito à psiquiatria, à psicologia e, sobretudo à humanidade.

O livro pode ser, ainda, encontrado na Livraria Leonardo da Vinci – Av. Rio Branco 185, sub-solo – tel. 2533-2237.

A Casa das Palmeiras não vende livros por ser uma instituição filantrópica.
____________________

terça-feira, 19 de maio de 2009

Modelagem




O atelier de modelagem da Casa das Palmeiras recebe em média 4 a 7 clientes por dia. Por mês os clientes produzem cerca de 60 peças.
O barro encontra-se a serviço dos clientes juntamente com tintas, pincéis e outras ferramentas que auxiliam o trabalho.
Atualmente a Casa das Palmeiras recicla o barro utilizado pelos clientes. O material reciclado é constituído, em sua maioria, de peças antigas sem data ou sem identificação ou de peças danificadas que ao invés de irem para o lixo vão para a reciclagem para serem reutilizadas pelos clientes. Utilização de argila nova sempre que necessário.
As produções são bastante variadas. Uns preferem modelar coisas concretas como cinzeiros, bonecos, animais, flores e etc. Já outros se interessam pelas formas abstratas, não se importando em produzir algo figurativo. Vale ressaltar a grande produção de bichos de todas as espécies no atelier. É comum a produção de peixe, cachorro, elefante, borboleta, tartaruga, baleia e mais uma infinidade de animais modelados. Há clientes que optam por pintar suas peças e há outros que preferem não pintar. Lembrando que a pintura só pode ser realizada dias depois que a peça foi produzida, pois o barro precisa estar bem seco.
Vale observar que o silêncio durante a atividade é absoluto. Não interrompemos e não falamos, apenas deixamos o cliente livre para criar com o máximo de espontaneidade e concentração.
É incrível observar que mesmo nas condições as mais difíceis são capazes de manusear o barro com ímpeto e criatividade. O simples movimento de amassar o barro de olhos fechados já carrega em si algo terapêutico. As qualidades terapêuticas do barro são infinitas. A modelagem permite que a pessoa consiga dar forma para suas emoções e para as imagens que tomam conta do ser. Ou seja, através do trabalho com o barro a pessoa despotencializa a força que as imagens exercem sobre o individuo.
Há um grande numero de obras produzidas no atelier. Obras que indicam o que acontece no mundo interno dos clientes. Algumas constituem verdadeiras obras de arte, ainda que a Casa das Palmeiras não tenha a intenção de descobrir artista.
As obras constituem verdadeiro material para estudo e pesquisa.
As obras fazem parte do prontuário, isto é, livro vivo em material plástico.

Rodrigo Pires – estagiário de psicologia, responsável pela modelagem, 2009.
______________________________

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Grupo de Estudos C. G. JUNG

na
CASA DAS PALMEIRAS

PSICOLOGIA E ALQUIMIA
* C.G. Jung - Ed. Vozes *

Às quartas-feiras de 2009

27 de maio, 10 / 24 de junho, 8 e 22 de julho (15 em 15 dias)

Horário: Início às 19h / término às 21h.

Local: Rua Sorocaba, 800 - Botafogo
Inf.: Tel. 2266-6465 (das 13h às 17h) / 2242-9341

O GRUPO DE ESTUDOS É GRATUITO
* Está aberto ao público em geral *
Bem vindos os artistas, filósofos, psicólogos, pensadores livres, cientistas, antropólogos, sociólogos e/ou qualquer pessoa que desejar ler, estudar e/ou conhecer, mais profundamente as
Obras de C.G. Jung e Nise da Silveira

____________________________________

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Samba de Raiz


Aconteceu: uma tarde musical de alto nível dia 2, sábado, nas Palmeiras.
Regina Rocha e a Colméia
Rose do Marfim e Verônica Martins
____________________________

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Roda de Samba

Com

Regina Rocha e a Colméia

* Verônica Martins e Rose do Marfim*

dia 2 de maio de 2009 – sábado.

das 15:30 às 18:30
Casa das Palmeiras

Rua Sorocaba, 800 – Botafogo.
Tel 2266-6465.

Clientes, familiares e sócios são convidados.

Tragam seus amigos e venham ouvir música!
Samba de raiz!

Colaboração espontânea R$ 3, 00 / R$ 4,00.

****************************

domingo, 19 de abril de 2009

Freud e Jung

GRUPO DE ESTUDOS G. JUNG
Às quartas-feiras de quinze em quinze dias
o Grupo se reune na Casa das Palmeiras.
Estamos lendo e refletindo o simbolismo nas artes plásticas
[Aniela Jaffé]
- O HOMEM E SEUS SÍMBOLOS -

Dia 29 teremos a presença do jornalista
Bernardo Horta
Ele falará sobre sua viagem e visitas às casas
de Freud em Londres e de Jung em Zurique.
E mais, sobre seu livro NISE.

Horário: Início às 19h / término às 21h.

Local: Rua Sorocaba, 800 - Botafogo
Inf.: Tel. 2266-6465 (das 13h às 17h) / 2242-9341

* O Grupo está aberto ao público em geral *
Bem vindos os artistas, filósofos, psicólogos, pensadores livres, cientistas, antropólogos, sociólogos e/ou qualquer pessoa que desejar ler, estudar e/ou conhecer, mais profundamente as
Obras de C.G. Jung e Nise da Silveira
______________________________________

quinta-feira, 9 de abril de 2009

Feliz Páscoa!

A Casa das Palmeiras deseja uma Feliz Páscoa para todos!

A Páscoa é uma importante festa para os judeus e para os cristãos. Ela é celebração para estas duas representações religiosas. Para os judeus é a passagem da escravidão no Egito para a terra da promissão, a passagem pelo Mar Vermelho - um povo que se organizou. Moisés foi o organizador do povo, o libertador e legislador, a figura de referência.
Moisés nasceu cerca de 1250 anos antes de nossa era, ele conduziu o povo de Deus.
Os judeus celebram todos os anos a festa da Páscoa, que acontece na Lua cheia, 40 dias depois do carnaval e os cristãos festejam a Páscoa quase junta, e que ocorre no 1º domingo depois da Lua cheia.
Para os cristãos a Páscoa, também, simboliza uma passagem. Jesus de Nazaré representa a figura central. A Páscoa cristã celebra a passagem da morte de Jesus Cristo para a vida, de sua paixão para a ressurreição, do velho Adão para novo Adão, deste mundo de dificuldades e dores para o novo mundo de solidariedade, saúde e fraternidade no amor em Deus.
A páscoa judaico-cristã oferece aos que se afligem e se interrogam reflexões sobre o sentido da existência. A Páscoa é o símbolo da Vida - Vida em alegria para todos.
Os ovos são símbolos de esperança - fonte da vida.
O coelhinho representa a fertilidade em contínua renovação.
A luz do Ciro pascal simboliza a luz que espanta a escuridão e traz a felicidade, a alegria eterna.
E cada um de nós faz a sua passagem do isolamento e egoismo para a partilha solidária e generosa.
********************************

domingo, 5 de abril de 2009

sábado, 28 de março de 2009

Casa das Palmeiras

Um cantinho do Ateliê de atividades plásticas - desenho e pintura

Folhagens da entrada - Atividade jardinagem

Entrada da Casa das Palmeiras
_____________________________________

sábado, 21 de março de 2009

Desenho








Ateliê Atividades Plásticas - Guache - Ricardo
______________________________

quinta-feira, 5 de março de 2009

Contos de Fada

Abordagem: Marie Louise Von Franz e C.G.Jung
Casa das Palmeiras

Histórias tradicionais do Ocidente e do Oriente.
As riquezas simbólicas do mundo interno e externo.
Feminino e masculino realidade e fantasia.

Histórias de Encantamento:

Almofadinha de ouro/O Camponês e a serpente
Um olhinho, dois olhinhos, três olhinhos.
A princesa grega e o jovem jardineiro
O homem que sabia florescer as árvores mortas
As duas Fadas/ O rei dos ladrões
Os três fios de ouro dos cabelos do diabo
João de Ferro / Filha rã do Czar

Processo terapêutico e prazer da narrativa
com
Rose Ruperti e Martha Pires Ferreira

Março e abril de 2009
dias: 13, 20 e 27 de março, 3 e 17 de abril
- sextas-feiras - das 19h às 20h30

Preço - R$ 60,00 (todo o curso) - meio para estudantes.
Individual - R$ 15,00 / R$ 7,50 estudante
Local:
Rua Sorocaba, 800 - Botafogo. Inf.
2266-6465 (13h às 17h) - 2242-9341

Tragam suas amigas/os – histórias para o prazer de todas as idades.
____________________________

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Festa de Carnaval


Tivemos nossa Festa de Carnaval nas Palmeiras - dia 17 de fevereiro, terça-feira.
No lanche iniciou-se a animação. Muita música e alegria com o samba, as marchinhas tradicionais aquecendo o ambiente no ritmo dos instrumentos criativos de chocalhos artesanais - potinhos de plástico ou garrafinhas com sementes, pandeiros, tamborins, serpentina.
Um grupo entusiasmado, com suas fantasias improvisadas e bem coloridas, cantando as marchinhas mais conhecidas percorreu uma parte do quarteirão da Rua Sorocaba levando os instrumentos e um estandarte - Bloco das Palmeiras - clientes, colaboradores, estagiários e a diretoria - todos fantasiados de maneira espontânea e cheios de criatividade.

O baile nas Palmeiras, muito animado, foi uma bela comemoração carnavalesca 2009!

Você pensa que cachaça é água, cachaça não é água não...”
“Gafanhoto deu na minha roça, comeu, comeu toda minha plantação...”
Eu sou o pirata da perna de pau, do olho de vidro, da cara de mau, minha galera...”
Sassassaricando, a viúva o brotinho e a madame...”.Mamãe, mamãe eu quero, mamãe eu quero mamar, me da chupeta, me da chupeta pro bebe não chorar...”
“Olha a cabeleira do Zezé... “.Mil palhaços no salaão...”. “Vou beijar-te agora, hoje é carnaval... Quanta alegria...”.Vem jardineira, vem meu amor, não fique triste que este mundo é todo seu...”.
Chiquita bacana lá da Martinica, se veste com casca de banana nanica, não usa vestido, não usa calção inverno pra ela é pleno verão..”
***************************************